[Resenha] As Viagens de Gulliver

??????????????????????Autor: Jonathan Swift

Editora: Scipione

Tradução: Claudia Lopes

Ilustração: Mariângela Haddad

Páginas: 136

Sinopse: “[…] Em suas “Viagens a diversos países remotos do mundo em quatro partes”, o cirurgião naval Lemuel Gulliver, vítima de um naufrágio durante uma terrível tempestade no mar, no ano de 1699, relata suas experiências em terras diferentes e inimagináveis. Único sobrevivente da tripulação do Antelope, o jovem Gulliver é levado pelas ondas até a desconhecida Lilipute, uma ilha habitada por seres minúsculos que se imaginavam o centro do universo e viviam em guerra por motivos tão fúteis quanto… a forma correta de se quebrar um ovo.

Mas a estranheza de Gulliver aos liliputianos aos poucos cede lugar para uma troca de experiências que leva o médico inglês a questionar os valores da sua terra natal a cada volta para casa. Afinal, Lilipute é apenas a primeira parada das muitas viagens de Gulliver, “a princípio cirurgião e mais tarde capitão de vários navios”. Em sua jornada pelos mares, ele ainda conhecerá lugares e povos tão estranhos quanto Laputa, Broddingnog, habitado por gigantes, e o país dos Houyhnhnms, governado por cavalos que procediam como criaturas racionais. […]” – Editora Rocco

“Gulliver é um médico aventureiro que abandona sua família na Inglaterra para desbravar novas terras. Por causa de um naufrágio, chega a Lilliput, terra de homenzinhos que o consideram um gigante. Depois, vai a Brobdingnag, onde ocorre o contrário: todos são enormes. Em Laputa, conhece um povo que só pensa em música e matemática. E, na Terra dos Houyhnhnms, nova surpresa: encontra homens irracionais e cavalos inteligentes e delicados. Além de propiciar uma reflexão sobre justiça social, este livro permite discutir a importância do respeito às diferenças.” – Editora Scipione

Fonte: Site da editora Rocco e site da editora Scipione

Bem, o livro foi dividido em quatro partes, isso no livro que eu li (da editora Scipione). A primeira conta a viagem de Gulliver a Lilliput… Apesar de sua esposa não ter concordado com sua viagem, Gulliver embarcou mesmo assim no Antílope, no dia 4  de maio de 1699. Isso tudo pela sua paixão por aventuras, que começou logo que ele se formou em medicina e embarcou como médico de bordo para correr o mundo, de acordo com ele mesmo:

“[..] Minha paixão pela aventura tinha uma força irresistível. Exercia uma atração incontrolável sobre mim e despertava-me uma sensação que eu amava desde a juventude. Logo que me formei em medicina, embarquei como médico de bordo para correr o mundo e os riscos das novas rotas de navegação” – Pág. 7

Ele estava viajando de barco quando começou uma forte tempestade, toda a tripulação começou a correr e a pular no mar para se salvar, Gulliver conseguiu, junto com outros marinheiros, chegar a um bote, mas acabaram sendo jogados no mar por uma forte onda.Depois de muito tempo lutando contra as ondas para tentar se salvar, ele conseguiu chegar à terra firme, um país chamado Lilliput, onde ali ele era um gigante.

“Não sei por quantas horas dormi. Ao acordar, senti o sol nos olhos. Tente mover a cabeça e não consegui: meus cabelos estavam presos ao chão. Tentei me levantar e não pude: meu corpo estava como que colado na areia.

[…] Percebi então que dezenas de outros homenzinhos como aquele corriam pelo meu corpo. Assustado, dei um tremendo berro. Foi como um terremoto para eles.” – Pág. 7

Ficou lá por certo tempo e muitas coisas aconteceram até ele resolver sair de lá. E assim segue as outras três partes falando dos outros lugares onde ele acabara parando ao se aventurar no mar novamente.

E foi ele, viajando por inúmeros lugares, vivendo grandes aventuras, descobrindo lugares que nunca imaginara que existia, como Laputa, Broddingnog e muitos outros… acho melhor eu parar por aqui senão vou acabar dando spoiler, e isso não seria muito educado da minha parte.

O livro é narrado em primeira pessoa, ou seja, por Gulliver. Já foi escrito a muito tempo, mas acho que até hoje ele se encaixa na nossa sociedade. Podemos, durante a sua narrativa, imaginar e sentir quase as mesmas coisas que ele sentia ao vivenciar aquilo, como se a história fosse real e que estivéssemos dentro dela (acho que essa é uma característica de quase todos os livros que são narrados em primeira pessoa.

Uma narrativa bem detalhada, a qual podemos imaginar todo o cenário perfeitamente, e que, nesta edição, tem várias ilustrações, e que embora eu prefira ficar só com a minha imaginação, gosto de poder ter outro ponto de vista em que minha imaginação possa se basear, tendo uma nova visão de como os personagens são na opinião de outra pessoa.

E uma das coisas que mais gosto desse livro é: o grande questionamento, e a grande critica que ele faz à sociedade inglesa daquela época e que serve até hoje. Se analisarmos bem, realmente, o que o autor quis dizer é pura verdade, e acho que, ao lermos esse livro, devemos estar com a mente aberta a um novo ponto de vista, que nos mostra que muitas das coisas que fazemos são fúteis e sem fundamentos. Indico e recomendo esse livro a todas as idades, é de fácil compreensão e com uma história bem cativante e interessante, cheia de aventuras e emoções, junto de uma grande reflexão.

Classificação: ★ ★ ★ ★ ★

Onde comprar: Americanas, Submarino (a edição do livro que está naqueles links é diferente, mas a história continua a mesma, e outros sites também têm esse livro, mas esses ali foram onde eu achei que o livro estava mais em conta).

Espero que gostem…

Beijos e abraços!

E até o próximo post…

Anúncios