[Resenha] O Hobbit

images.livrariasaraiva.com.brgAutor: J. R. R. Tolkien

Ilustrador: J. R. R. Tolkien (menos da capa ilustrada ao lado)

Editora: Martins Fontes

Tradução: Lenita Maria Rímoli Esteves e Almiro Pisetta

Lançamento: 1937 (primeiro lançamento do livro)

Sinopse: “Bilbo Bolseiro é um hobbit que leva uma vida confortável e sem ambições, raramente aventurando-se para além de sua despensa ou sua adega. Mas seu contentamento é perturbado quando Gandalf, o mago, e uma companhia de anões batem à sua porta e levam-no para uma expedição. Eles têm um plano para roubar o tesouro guardado por Smaug, o Magnífico, um grande e perigoso dragão. Bilbo reluta muito em participar da aventura, mas acaba surpreendendo até a si mesmo com sua esperteza e sua habilidade como ladrão!”

Fonte: Contracapa do livro.

Após quase duas semana, finalmente terminei de ler este livro – calma, eu não demoro tanto assim para ler um livro. Sabe aquele momento em que você acha o livro com a qual sonhava, que era do jeito que queria? Então, foi assim que me senti ao ler “O Hobbit”. Mas antes de dizer qualquer coisa a respeito quero fazer um resumo da história narrada. Bilbo Bolseiro vivia tranquilamente em sua toca de hobbit, até que um dia Gandalf, o mago, apareceu na porta de sua casa:

“- Bom dia! – disse Bilbo, sinceramente. O sol brilhava, e a grama estava muito verde. Mas Gandalf lançou-lhe um olhar por baixo de suas longas e espessas sobrancelhas, que se projetavam da sombra da aba do chapéu. – O que você quer dizer com isso? – perguntou ele – Está me desejando um bom dia, ou quer dizer que o dia está bom, não importa o que eu queira ou não, ou quer dizer que você se sente bem neste dia, ou que este é um dia para estar bem? – Tudo isso de uma vez – disse Bilbo. […]” – Pág. 4

Gandalf estava a procura de alguém para participar de uma aventura que estava organizando, o que estava muito difícil de fazer. Mas hobbits raramente vão, ou gostam de aventuras – ainda mais a que estaria prestes a enfrentar. Bilbo, logo não gostou da conversa, o mago estava querendo leva-lo nesta aventura, o que não era de seu agrado e começou a fingir que não estava prestando atenção ao velho, queria que ele fosse embora. Mas não adiantou tentar encerrar a conversa e Gandalf resolveu integra-lo a essa aventura, o sr. Bolseiro recusou e o convidou, por educação, para tomar chá com ele na quarta a tarde.

Quando chegou a hora do chá na quarta-feira a tarde, Bilbo já tinha até esquecido do evento que havia marcado, mas algumas batidas na porta o lembraram, levou um susto ao abri-la e perceber que quem estava ali não era o mago, mas sim um anão. Passado uns minutos, mais outra batida na porta e mais anões, e assim foi até ter 13 anões na casa do hobbit, mais Gandalf que chegou por último.

No momento,o sr. Bolseiro não gostou nada, mas no final acabou indo na aventura. Passaram por maus bocados no caminho, e demoraram meses até chegar ao seu destino; passaram por trolls e por pouco não foram devorados, adentraram em uma caverna para passar a noite, mas descobriram que mais afundo naquela montanha moravam orcs terríveis que os capturaram, porém conseguiram sair da situação apesar das dificuldades que passaram. E esse foi um dos momentos que o hobbit se mostrou digno de ser chamado de “ladrão” – que era o que os anões estavam procurando e para isso tinham chamado Bilbo, mas que no início não achavam que era um verdadeiro ladrão. Passaram por muitas outras aventuras, mas se relata-las estarei dando spoiler, então vou parar por aqui.

wpid-afterfocus_1427763680442.jpg

Um trecho que achei bem interessante:

É estranho, mas as coisas boas e os dias agradáveis são narrados depressa, e não há muito o que ouvir sobre eles, enquanto as coisas desconfortáveis, palpitantes e até mesmo horríveis podem dar uma boa história e levar um bom tempo para contar.

– Pág. 50

Não sou o tipo de pessoa que gosta de livros de romances e coisas do gênero, então fiquei muito feliz em ter achado finalmente um livro com uma verdadeira aventura e que não tivesse romance nenhum. Recém terminei de ler mas já quero ler esse livro novamente. Não é uma simples história narrada com acontecimentos que já até previmos o que vai acontecer antes disso acontecer, não, em muitos momentos o autor quebra isso e cria uma nova perspectiva para determinado fato acontecer, sendo uma aventura com uma solução inesperada. Cada vez a história vai ficando melhor ainda.

Narrada com narrador onisciente, até parece que Tolkien está falando e relatando os acontecimentos diretamente para você, começando muitas vezes a se dirigir a nós leitores.

Em relação a Bilbo, personagem principal da história, fui gostando cada vez mais dele, no início você acha que ele é um simples hobbit que gosta do conforto da sua toca e que não serve para aventura alguma, errado, posso dizer que foi o que mais se destacou, é claro, e que mais ajudou os anões em momentos difíceis, mesmo podendo ter deixado eles para trás. Sendo muito útil e um ótimo companheiro para os anões, apesar deles não estimarem-no tanto no principio.

Ah, e os anões, havia certos momentos que eu ficava com muita raiva deles. Em uma hora ficavam dando tapinhas de agradecimento nas costas de Bilbo, e em outras, quando outro momento dificil chegava, jogando tudo para cima dele, achando que ele que tinha que resolver todos os seus problemas. E apesar de Gandalf não estar presente em todos os momentos, apareceu em muitos de grande dificuldade de seus amigos.

Posso dizer que gostei muito, muito desse livro, todos os personagens criados perfeitamente, cada um do seu jeito, sem contar os cenários incríveis criados por Tolkien. E com um final surpreendente! Comecei a gostar cada vez mais desta leitura a cada novo capitulo, e a cada nova aventura. Simplesmente incrível! Recomendo a todos, desde crianças até a adultos.

Classificação: ⭐⭐⭐⭐⭐❤ (muito bom, um dos meus favoritos)

Espero que tenham gostado!

Beijos e abraços!

Anúncios