[Resenha] Vinte Mil Léguas Submarinas, de Júlio Verne

Capa_Vinte%20mil%20leguas%20submarinas_FINAL-1Autor: Júlio Verne

Tradutor: Walcyr Carrasco

Editora: Moderna

Páginas: 328

Sinopse: Imenso, colossal, desconhecido. O gigantesco animal marinho, que possui luz fosforescente e jorra enormes trombas d’água, move-se com rapidez e astúcia. Afunda navios em um lugar, para logo depois aparecer em outro e causar mais estragos.

Uma expedição parte para encontrá-lo e caçá-lo, mas nem o melhor arpoador consegue fisgar o monstro: sua pele, de tão lisa, mais parece aço. Será coisa de outro mundo? Essa é uma vertiginosa aventura, que desafia a razão, a realidade e a compreensão humana.

 

Fonte: Site da Editora Moderna.

No ano de 1866 havia ocorrido nos oceanos acontecimentos estranhos e inexplicáveis, que preocuparam quase toda a população. “Vários navios cruzaram com um animal longo e fosforescente, maior e mais veloz que uma baleia.”- Pág. 33. Grande foi a curiosidade das pessoas em torno desse ser descomunal. Como poderia ser que houvesse tal monstro que pudesse destroçar facilmente navios de grande porte?

O professor Pierre Aronax – o personagem principal – também havia sido consultado sobre o assunto, sendo ele professor de História Natural. Porém pouco soube dizer a respeito de tal animal nunca visto antes na face da Terra. Houve muitas discussões até resolverem fazer uma expedição para perseguir o narval (como o professor começou a chamar aquele ser), expedição que chamaram de Abraham Lincoln. Sendo um dos convidados, é claro, o professor Aronax, que aceitou o convite, acompanhado de seu criado, Conseil. E tudo começa quando eles saem, finalmente, em busca da verdade a respeito desse monstro… (ou seria um submarino?)

OBS: Destaco ainda que naquela época as pessoas não imaginavam como uma embarcação pudesse submergir sem ser gravemente afetada pela pressão das águas.

“Para apanhá-lo, era necessário arpoá-lo. Tarefa de Ned Land! Para arpoá-lo, era necessário vê-lo. Tarefa de todos os tripulantes. Para vê-lo, antes teríamos de encontrá-lo. E esse era tarefa do acaso!” – Pág. 51

 wpid-2015-11-20-16-39-02_deco.jpg

Este é um daqueles clássicos onde não se encontra muita ação, mas onde há muitas informações. Nele é narrada  toda uma viagem pelos oceanos, observando, detalhadamente, muitos seres e lugares – algumas vezes não sabemos dizer se real ou fictício – que contam fatos históricos. Informações que aumentaram a minha curiosidade de saber o que iria acontecer, como eles sairiam daquela situação, por quais outros perigos eles iriam passar.

– Sim, capitão. Mas estamos sendo perseguidos pelos selvagens!

– A quem se refere? – quis saber o capitão.

– Aos selvagens que habitam a ilha!

– Por que os chama de selvagens? Acaso são piores do que os homens a quem chama de civilizados?” – Pág. 152

Uma história composta de personagens bem construídos, que concederam mais realidade à narrativa também:

  • O professor Aronax era um homem calmo,  um grande estudioso que tinha o desejo de conhecer tudo que havia pelos mares mesmo que para isso enfrentaria grandes perigos. Mas alguém que costumava pensar duas vezes antes de agir também;
  • Ned Land, o arpoador, era um homem já mais precipitado e que ficava nervoso rapidamente. Personalidade muito diferente de seus outros amigos;
  • Conseil, o criado do professor, era um homem fiel que seguia todos os passos do seu senhor, não importava os perigos que os aguardassem. Muito Inteligente, calmo e curioso também.

Todos os detalhes dos acontecimentos foram tão minunciosamente narrados, inclusive cálculos e outros, que poderíamos até pensar que tudo isso realmente aconteceu. Tamanha foi a genialidade de Júlio Verne para criar tão rica história.

Recomendo a todos que gostam de ficção científica, clássicos e uma boa aventura. Um livro que deveria ser lido por todos!

Classificação: ⭐⭐⭐⭐⭐

Onde comprar: Submarino.

Espero que tenham gostado! Já leram esse livro? O que acharam? Contem nos comentários!

Anúncios