[Resenha] E Não Sobrou Nenhum, de Agatha Christie

medium_994Autor(a): Agatha Christie

Editora: Globo Livros

Páginas: 400

Lançamento: 2014

Sinopse: Uma ilha misteriosa, um poema infantil, dez soldadinhos de porcelana e muito suspense são os ingredientes com que Agatha Christie constrói seu romance mais importante. Na ilha do Soldado, antiga propriedade de um milionário norte-americano, dez pessoas sem nenhuma ligação aparente são confrontadas por uma voz misteriosa com fatos marcantes de seus passados.

Convidados pelo misterioso mr. Owen, nenhum dos presentes tem muita certeza de por que estão ali, a despeito de conjecturas pouco convincentes que os leva a crer que passariam um agradável período de descanso em mordomia. Entretanto, já na primeira noite, o mistério e o suspense se abatem sobre eles e, num instante, todos são suspeitos, todos são vítimas e todos são culpados.

É neste clima de tensão e desconforto que as mortes inexplicáveis começam e, sem comunicação com o continente devido a uma forte tempestade, a estadia transforma-se em um pesadelo. Todos se perguntam: quem é o misterioso anfitrião, mr. Owen? Existe mais alguém na ilha? O assassino pode ser um dos convidados? Que mente ardilosa teria preparado um crime tão complexo? E, sobretudo, por quê?

Há muito tempo eu queria ler E Não Sobrou Nenhum, da Agatha Christie, mas nunca o comprava. Até que finalmente na Black Friday do final do ano passado, comprei. Imagina a minha felicidade quando esse livro lindo chegou na minha casa e eu pude por as mãos nele <3. Para vocês terem uma ideia, eu li ele em menos de um dia mesmo enquanto estava na praia, eu simplesmente não conseguia parar de lê-lo. Mas voltando à estória…

Dez pessoas, aparentemente sem conexão alguma, recebem uma carta de alguém chamado mr. Owen, convidando-os a sua mansão na Ilha do Soldado. Todos então vão no dia e hora marcados para a ilha, que só podia ser alcançada por uma embarcação, porém ao chegarem descobrem que o anfitrião ainda não havia chegado lá, e contatava os empregados apenas por carta.

O jantar havia se passado tranquilamente e agradável aos convidados. Todos, então, haviam ido para a sala de estar…”O ambiente foi tomado pelo silencio – um silencio de saciedade e conforto. / Em meio ao silencio ressoou A Voz. Inesperada, sem aviso, inumana, penetrante…” (Pág. 72). E as acusações a cada um dos presentes foram pronunciadas.

Sobressaltados, após o pronunciamento os convidados começam a investigar o que poderia estar acontecendo naquela misteriosa e sombria ilha, e quem era U. N. Owen. E é em meio a esse tenso clima que começam os assassinatos baseados na cantiga infantil dos Dez Soldadinhos, que estava estampada em quadros por quase todos os cômodos da mansão.

Dez soldadinhos saem para jantar,

 A fome os move;

um engasgou, e então sobraram nove.

16-02-26-16-28-43-233_deco.jpg

E Não Sobrou Nenhum é emocionante, cativante e impossível de largar do início ao fim e também diferente de todos os outros romances policiais já escritos. Ao longo da narrativa somos levados a pesar cada personagem para tentar descobrir quem seria o autor dos crimes que estavam acontecendo. Sendo um mais suspeito e improvável do que o outro, ainda mais quando se está a par dos pensamentos de cada um dos presentes.

Vera disse:

  – Tudo isso é tão extraordinário… Parece não… não ter sentido algum.

A velha [Emily Brent] falou com vivacidade:

  – Estou muito aborrecida e irritada comigo mesma por ter me deixado enganar tão facilmente. […] A gente se acostuma demais a aceitar as coisas sem discutir nem pensar, acha tudo normal.” – Pág. 150

Poucas pistas são dadas e o leitor é levado a usar de sua imaginação a fim de achar uma possível explicação para o assassino ser um dos dez convidados ou estar presente na ilha. Algo genial da parte da escritora, pois nessa história não há um detetive investigando os homicídios, mas só o leitor com suas próprias suposições.

E apesar das 400 páginas, o livro pode ser lido em menos de um dia, como eu fiz de tão curiosa que estava para confirmar minhas suspeitas. A diagramação ficou muito boa e facilita a leitura, dando a impressão de que você leu mais do que realmente leu. Não tenho nada a reclamar da edição. O livro é dividido em 16 partes, entre outras divisões dentro destas partes. 

Um clássico que eu recomendo, com toda a certeza, a todos, para ser lido não só uma, mas várias e várias vezes. A Agatha Christie é uma das minhas autoras preferidas e, se eu puder, lerei todos os seus livros.

Curiosidade: O nome original do livro no Reino Unido era O Caso dos Dez Negrinhos (Ten Little Niggers), assim como o nome do poema era os Dez Negrinhos, mas o título causou polêmica nos Estados Unidos e acabou tendo de ser alterado. Caso queiram conhecer o poema original, cliquem aqui.

Classificação: ⭐⭐⭐⭐⭐ (+❤) [Favoritado]

Onde comprar: Cia. dos Livros, Livraria Cultura, Saraiva e Livraria da Travessa.

Ah, e a propósito, eu acertei quem era o assassino, risos. Imagina uma pessoa que saiu pulando de alegria! E vocês, já leram? O que acharam?

Beijos e abraços!

Anúncios